Sou o que sou

Minha foto
Sampa, SP, Brazil
Sou terra, por ter razões. Sou berro, se aberrações. Sou medo, porque me dou. Sou credo, se acreditou

sábado, 8 de maio de 2010

cerca morta


não há nada que me agrade
do lado de lá daquela grade

quem aqui me cerca
de perto, me aperta
deixa-me sempre alerta

não há grade que me cerque
quem me empurra, me ergue

quem dali, me enxerga
nem daqui, me enverga
vaza-me, une e posterga

não há alarde que me arda
quem me atrasa, não tarda

nada que me abrase está
deste ou daquele lado
do que me agrade

nada faz calar-me, nem tua farda
nem tua sombra, bamba e parda...
Inquira-me enquanto aguarda

25 comentários:

Jairo Cerqueira disse...

Quem conseguiu escapar da Caverna Platônica, pode fazer de uma simples grade, um universo de pensares.
Um abraço, Joe.

Anônimo disse...

Caro Joe,

Belo passeio pelas palavras.
Não se cale. fico no aguardo de novas palavras...

Um abraço

Anônimo disse...

Esse ultimo comentario foi meu...
parece que falhou...

Um abraço
edimo ginot

Joe_Brazuca disse...

JAIRO...acho que estamos presos pra sempre nessa caverna, né mesmo ?...rs...grato amigo !

EDIMO...calar-se nunca !...pra nós não !...talvez silenciar por algum tempo...observar...daí a coisa "muda"...rsrs.(desculpe o trocadilho...rs)...abração

Adriana Godoy disse...

do lado de cá, aplaudo de pé, sem grades. lindo poema. Beijo.

Almirante Águia disse...

Grande Joe

A liberdade nos aprisiona e queremos mais.

Boa semana

ps. Eu lí: Nem tua sombra, nem tua barba parda... Já me corrigi. rsrs

Carmem disse...

«não há grade que me cerque
quem me empurra, me ergue»

Divino!
A experiência nos ensina, e acabamos por aprender a nos aproveitar dos "empurrões", e usá-los como "alavancas".
E sim, seja qual for a grade, a gente tem que se mentalizar que tem que conseguir sempre superá-la.

Gostei de descobrir seu blog, maravilha!
Abraço

Francisco disse...

Sentimento puro de liberdade e desafio...
Dito em forma de poema, ficou perfeito.

Aquele abraço!

LiLa BoNi disse...

Agora mais centrada...venho te ler!!
Confesso...que adoro!!!
Mil beijos!!!

Anônimo disse...

Primeira vez no seu blog, a partir de um post do Marcos Pontes que o citava, no http://simpatiaeesculacho.blogspot.com/. Gostei muito e vou voltar. Queria sugerir, visto que vc tem muito a dizer, que usasse o Twitter, pois não sei até quando, mas atualmente, tem sido um grande canal de divulgação. E seria muito bom poder encontrar no meio de tantas palavras com pouco valor, palavras como as suas que podem nos acrescentar algo.
Abraços,
@cgcibp

Doroni Hilgenberg disse...

Joe,
Até podem nos aprisionar, mas jamais a nossa palavra, ela é livre como um passarinho e pode ser letal.
bjs

mARa disse...

...Querido meu

Depois comento

Pra deixar um Beijo, sem comentarios.

Besitos!

*ah, emprestei tua frase, coloquei tbm em quem eu sou....depois devolvo...

Carmem disse...

Obrigada pela visita.
Se gostou, volte quando quiser, que tbm pretendo aqui regressar.



Quando te aproximas
aprumo minha alma
como um soldado
apruma-se
quando
pressente seu general
Quando inspiras
com a pretensão
que teu poder te dá
Sustento eu,
minha tímida respiração
temendo
que te perturbe
dividir eu,
contigo
o mesmo ar
Quando levantas teu olhar
Abaixo o meu
Quando falas
Faço atentos meus ouvidos
E selo minha boca
E antes que me ordenes
Procuro
com minhas parcas capacidades
antever teus desejos
para bem servir-te
meu senhor
E, por fim...
Pagas-me
tanta devoção
marcando
em minhas
descarnadas costas
o chicote
que sempre
te acompanha
na mão

(ESCRAVO)

abço

IVANCEZAR disse...

Beleza Joe !

Somos instados diariamente a romper muros ( visíveis e invisíveis ) para transpor o rateio do tempo distribuído impiedosamente aos seres (ainda)VIVOS !

Cláudia Campello disse...

viva a liberdade de
expressao.......ao menos isso!
e sonhar ainda nao paga imposto né?
......soltemos nossas farpas. Sera que um dia as cercas POFT..ao chao?

lindamente poetico esse.

bjssssss;

mARa disse...

beijo com gosto de chuva!

Óptima Semana!

Namastê!

Sr do Vale disse...

Joe, bem musical esse poema, parece até uma dança, a dança das palavras.
abraços.

BETO PALAIO disse...

Joe, grato pelo haicái... Veja se a tradução é satisfatória... Você sabe que o tradutor é traidor sempre... Mas traduzir vaga lume é algo somente possivel pela aproximação... (fire fly iria ficar forçado)....

Marga disse...

Sem grades, sem limites.
Tua energia sempre chega até aqui!

Beijos do Sul!

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Olá!

Saudades deste lugar onde venho alimentar o meu espírito na beleza e contudência de suas palvras!

Um abraço!

Sonia Regina.

Elaine disse...

Joe,
Este é um comentário-convite. Quero convidar você para participar de uma mega promoção que está acontecendo lá no blog: sorteio de 1 exemplar do livro Perseguição digital. Para participar basta acessar este link e preencher o formulário. É simples e bem rápido. Espero você. Beijos e obrigada por acompanhar meu blog.

Veredas, por Marluce disse...

A cerca aprisiona, nos faz calar, "mesmo morta" sufoca a alma, nos priva da liberdade...



Belo poema!




Marluce Freire

Veredas, por Marluce disse...

Veredas,por Marluce disse...
A cerca aprisiona, nos faz calar, "mesmo morta" sufoca a alma, nos priva da liberdade...



Belo poema!




Marluce Freire

Marcelo Novaes disse...

Joe,




A pergunta ou a barreira incitam e evocam mais de cada qual.


Dependendo de quem seja o dito-cujo.






Abração.

Mirze Souza disse...

Joe!

Agora entendo porque o Marcelo citou você, no prosas poéticas a partir de um comentário meu!

É! cada um tem um pensamento. No meu caso estarei até fora da cerca, mas sem deixar de olhar se dentro dela, há algo ou alguém que precese de ajuda.

Um abraço!

Mirze

Related Posts with Thumbnails